quinta-feira, 28 de agosto de 2008

[Especial Fiestas de Las Angustias 2008] De Samouco a Ayamonte, 30 anos depois


Em finais dos anos 70 chegavam ao Samouco relatos dos grandiosos festejos que em Espanha se realizavam em honra de Nossa Senhora das Angustias, pelo Ayuntamiento de Ayamonte. No ano de 1977 a Banda de Música da Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense teve a honra de ser convidada para abrilhantar as ditas festas, convite este que não pode ser aceite pelo facto de já existirem compromissos para com outras entidades para as mesmas datas. Com este convite nasce o desejo por parte dos Músicos e da Direcção de que talvez num futuro próximo existisse novamente a oportunidade de a Banda abrilhantar tal grandioso evento em La Puerta de España pois, ademais estas festas realizavam-se em território estrangeiro e surgia assim uma oportunidade de fazer chegar mais além o bom nome da Banda de Música da Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense e do Samouco.

A Direcção de então da S.F.P.L.S., embora tivesse declinado o convite para o ano de 1977 por motivos de agenda, prontamente se mostrou disponível para abrilhantar os citados festejos no próximo ano de 1978. Assim começa a surgir uma troca de correspondência entre as partes interessadas e em Abril de 78 é feito um convite pelo Ayuntamento de Ayamonte para que uma comissão representativa da S.F.P.L.S. se desloque a cidade andaluza para troca de impressões e outros acordos referentes à deslocação da banda. Parte então a comissão composta na parte directiva pelo Presidente da S.F.P.L.S. António José Pinho e o Secretário Mário Delgado Sobral, pelo Maestro Francisco Domingos Taneco e ainda pelos membros da Banda de Música Emídio José Carvalho e Alberto Sena Gonçalves, todos em direcção a Ayamonte.
Na bagagem levam a vontade e determinação de levar a bom porto a tarefa a que se propunham. Levam ainda um gravador com algumas peças musicais gravadas pela Banda de Música com o intuito de dar a conhecer o reportório que incluía, como não poderia deixar de ser para uma actuação em terras de Espanha, alguns pasodobles que são nesta sinónimo de tradição e aficíon. É recebida a referida comissão pelo Alcaide do Ayuntamento, que dispensa as suas melhores atenções sobre o assunto, finalizando este mesmo a reunião com a colocação de uma máquina de escrever frente ao Secretário da S.F.P.L.S. para que no momento redigir-se o termo de contrato que foi devidamente assinado pelas partes, ficando assim acordada a deslocação da Banda, pelo valor de 290 mil pesetas.

Estava então na hora de voltar a casa e dar conhecimento à população do Samouco e principalmente aos componentes da Banda de Música as boas novas, com estes últimos a ficarem radiantes com a deslocação a efectuar. Apenas se distanciavam alguns meses dos serviços a prestar em Ayamonte, o que representava um curto espaço de tempo para que se tomassem todas as indispensáveis resoluções e preparar a respectiva documentação oficial, respeitante a elementos da Banda e outros que a acompanharam. Foram tantos os assuntos a tratar que o mais leve descuido poderia arruinar toda a obra. São feitos os devidos preparos, escolhe-se repertório para os respectivos concertos, para os actos religiosos e arruadas, pedem-se novas peças de repertório espanhol aqui e acolá, o maestro ensaia, exige, recomenda e tudo vai indo no bom caminho musical. A data aproxima-se, tomam-se notas, dão-se conselhos, apertam-se os ensaios, para que nada falte e tudo corra na melhor ordem, são constantes os cálculos para que as pesetas cheguem para liquidar todas as despesas com músicos, transportes, salvos condutos, e toda a demais logística necessária.


Lista de Músicos e repertório apresentado em Ayamonte no ano de 1978

Assim, a 6 de Setembro de 1978 é dada a ordem de partida ao motorista e põem-se a caminho de Vila Real de Santo António. A bordo seguem músicos, directores, instrumentos, fardamento, cozinheiros, acompanhantes, boa disposição e entusiasmo, e ainda a satisfação de engrandecer a sua música, levando-a a outras terras e a outras gentes. Pelo caminho fazem uma pequena paragem para o almoço afim de não se perder mais tempo, porque já algum tempo tinha sido desperdiçado na partida e no furo que tiveram pelo caminho. A viagem continua, sacode os apetites, estoiram os ditos de espírito (próprio dos portugueses) esfuzia a boa disposição e continua o apetite.

Finalmente Vila Real: cada músico leva o seu instrumento, a sua bagagem, e segue para a alfândega a fim de embarcar e atravessar o Rio Guadiana. A Banda do Samouco executou nessa primeira vez e tal como sempre até hoje o Pasodoble Ayamonte até o barco atracar no cais. O desembarque dá-se com aplausos, olés e entusiasmo dos Ayamontinos que aguardavam a sua chegada. A banda forma e marcha tocando até junto do Ayuntamento a fim de apresentar cumprimentos ás entidades oficiais, executaram-se o Hino Espanhol e o Português, repetindo o mesmo gesto frente ao Consulado Português.

Em Ayamonte foram vários os serviços que se efectuaram, com destaque para o desfile de oferenda de flores à Patrona da Santíssima Virgem das Angustias, o grandioso concerto musical no salão nobre do Circulo Mercantil, a Procissão da Patrona de Ayamonte Santíssima Virgem de las Angustias, o concerto na Cale Cristobal Colón, o concerto no Salão da Sociedade Cultural Casino España, o desfile de Gigantes Y Cabezudos e por fim, as despedidas oficiais, tocando novamente os Hinos Espanhol e Português. Termina assim a colaboração da Banda de Música da S.F.P.L.S. no ano de 1978 em Ayamonte, há 30 anos atrás.

A 11 de Setembro parte de Ayamonte o autocarro em direcção ao Samouco. À chegada a felicidade é grande, tanto por parte da comitiva que se deslocou a Ayamonte como da própria população que esperava entusiasticamente a sua banda. Em seguida, a Banda percorre as principais artérias do Samouco sempre tocando animadamente e com o estalar de foguetes como pano de fundo, seguida por grande parte da população em apoteose.

Chegada da Banda do Samouco à sua terra natal - Momento registado na rua Rui de Sousa Vinagre

Hoje, exactamente 30 anos depois, mais uma vez se repete o mesmo ritual, praticamente imutável desde a primeira vez. Os tempos mudam: mudam músicos, maestro, directores, mas alguns ainda se mantêm inamovíveis desde a primeira vez, assim como inamovível é o entusiasmo criado por Ayamonte, o orgulho de difundir através da sua Banda o prazer e o recreio na modalidade da música, de participar, de convívio, entre a própria banda de música e com todos os Ayamontinos, que ainda hoje se mantêm e demonstram tão hospitaleiros como da primeira vez.


Excertos de Humor Filarmónico
Mais momentos disponíveis em vários pontos na nova sede da Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense

Nota: As imagens aqui apresentadas são parte integrante da Edição Especial da Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense, datada de 1978, comemorando a primeira ida da Banda a Ayamonte. Esta edição contou com a colaboração de Alberto Sena Gonçalves, Prim da Costa Margal e Manuel Braguês Lemos, sendo composta e impressa em E.P.S. - «Gazeta do Sul» - Montijo no mesmo ano.

5 comentários:

Anónimo disse...

Sou jovem e gosto muito da minha terra e da Banda da Sociedade que tem o previlégio de ser a principal actividade a fazer com que o Samouco esteja sempre em foco pela positiva. Aos que por lá passaram aos actuais directores e ao autor deste texto que a uns relembra e a outros dá a conhecer as memórias da Sociedade os meus parabéns.
Em filosofia eu apredo que"QUANDO DEUS QUER, O HOMEM FAZ E A OBRA NASCE".
Aqui está o exemplo.

Anónimo disse...

Já não sou jovem, mas quando era rapaz ficou na minha memória o dia em que a Banda chegava e dava a volta à terra e lá ia eu e mais garotada atrás felizes da vida e a ajudar à Festa.
Adoro tauromaquia mas... perdoem a minha modesta opinião os textos e fotos são em excesso.
Temas da origem do blog não são muitos e este está de facto bom. Também como o anónimo anterior os meus parabens a todos.

João Bexiga disse...

São já quase 22 os anos que passaram desde que entrei para a "estante" da Banda do Samouco. Recordo-me de perguntar à D. Carlota (mãe de Rui Póvoas, um exímio clarinetista ex-músico da Banda do Samouco): Quando é que a banda vem da Espanha? E, finalmente lá chegava o dia tão esperado. Um autocarro carregado de malas e bagagens no tejadilho e de gente cansada da longa viagem de regresso de terras andaluzes, fazia a sua entrada no Samouco. No entanto, eram sorrisos e expressões de orgulho pelo sentimento de missão cumprida o que nos trasmitiam os olhares daqueles músicos e amigos que acabavam de chegar.
Momentos depois, a banda formava para efectuar a arruada triunfal do regresso de Ayamonte, pelas ruas do Samouco, colhendo no caminho as ovações e a admiração de um povo perante a sua banda.
Foram momentos como este, que agora recordo, que despertaram em mim a vontade de pertencer à Banda do Samouco.

Anónimo disse...

Bexiguinha Bexiguinha estás a ficar muito saudosista. Será da idade ou andas a ver muitos filmes?
Um abração OK!

Anónimo disse...

A minha mae foi a 1ª mulher na Banda do Samouco.
Tenho muitas saudades daquele tempo e de algumas pessoas que ja nos deixaram, nomeadamente, Francisco Taneco.

Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense
Instituição de Utilidade Pública
Sede: Rua Francisco Domingos Taneco, 2890-242 Samouco, Portugal

Optimizado para resolução 1024x768 em ambiente Mozilla Firefox v3.0.11
© 2007-2010 Todos os Direitos Reservados.